Economia Criativa – Porque ela é relevante nos negócios?
14247703_1088873284541663_1681092302_o

Mari Patrício. Designer especialista em interiores; Design de serviços; UX Design; usabilidade e arquitetura da informação; professora da UEMG-Ubá curso de Design. Contato: marianapatricio@gmail.com Facebook: Mari Patricio

O novo ano se inicia e renovam-se as esperanças e expectativas quanto aos “dias melhores” em nosso país e, consequentemente, na nossa economia. E um termo recente neste universo, que promete ser parte importante graças a seu constante crescimento no mundo todo, é a Economia Criativa. Muito além do capital, da matéria prima e da mão de obra, o conhecimento é reconhecido como importante insumo de produção. Criatividade e uso de idéias inovadoras são essenciais na economia para produzirmos mercadorias e serviços cada vez melhores.

Mas o que é essa tal de Economia Criativa, afinal?

O termo “Economia Criativa” se refere a atividades com potencial socioeconômico que lidam com criatividade, conhecimento e informação. Para entendê-las, é preciso ter em mente que empresas do segmento combinam criação, produção e comercialização de bens criativos de natureza cultural e de inovação. (Echos – Laboratório de Inovação)

Empresas desse setor dependem do talento e da criatividade para efetivamente existirem. São distribuídas em 13 diferentes áreas: Arquitetura; Publicidade; Design; Artes e Antiguidades; Artesanato; Moda; Cinema e Vídeo; Televisão; Editoração e publicações; Artes Cênicas; Rádio; Softwares de entretenimento e lazer; e Música.

Onde está presente?

Atualmente, a Economia Criativa é um dos setores de maior crescimento e rentabilidade, com geração considerável de lucros e empregos. Têm como característica ser bem inclusiva, mostrando-se importante no desenvolvimento de bem-estar social e qualidade de vida.

Da mesma forma que a Economia Criativa é um setor em expansão, o número de profissões e oportunidades na área também é grande. Setores vinculados a Artes Cênicas e Visuais, filmagem e fotografia, mídias, produção de vídeos e jogos, criação de conteúdo, Publicidade e Marketing; entre os negócios ligados ao Design e Arquitetura, estão as agências, startups, escritórios técnicos de arquitetura e engenharia, e ateliês de design, por exemplo. Um indivíduo criativo pode e consegue oportunidades em diferentes segmentos, uma vez que são integrados a outros setores facilmente.

Competitividade nos negócios

O setor criativo é um importante formador de inovação econômica e social, pois tem grande potencial de impactar outras áreas com soluções práticas e econômicas. No Brasil, o setor se destaca a cada dia. De acordo com estudos, o crescimento médio anual dos setores criativos (6,13%) foi superior ao aumento médio do PIB nacional (cerca de 4,3%) nos últimos anos. O Brasil supera alguns países como Itália, Espanha e Holanda, graças ao PIB gerado pelas empresas do setor criativo no país.

O carnaval é um exemplo de Economia Criativa no Brasil. Em diferentes regiões e com temáticas distintas, o festejo trata cultura, costumes, arte, criatividade e inovação com força econômica capaz de movimentar quantias consideráveis. A economia criativa tem potencial de impactar positivamente a economia global, também em termos de inovação, produtividade, geração de empregos, conhecimento e identidade cultural. Além de gerar empregos qualificados e renda, os setores criativos conversam com outras áreas, agregando valor e competitividade nos produtos e serviços. Se você deseja entrar neste setor, tem bons motivos para fazê-lo!

Economia-Carnaval 2

Carnaval não é apenas festa ou descanso. Período gera emprego e renda para diferentes regiões do Brasil. Fonte da imagem: http://www.colegioweb.com.br/wp-content/uploads/2015/01/Economia-Carnava.jpg

ENTRE NA REDE FATO!