Quem manda em casa, eu ou meu cão?
_FTG4416

Dr. Ricardo Silva e Dra. Michele C. Marques

Grande parte das queixas de comportamento dos cães está relacionada a cães dominantes. Os cães são animais sociais, vivem em matilhas, nas quais sempre existe uma hierarquia. Sendo assim há um líder ou cão alfa, que toma as decisões e estabelece as regras da matilha. Na ausência de um líder, outro animal ocupará o papel de alfa. Em casa, nós (os donos) fazemos parte da matilha e se não formos os lideres com certeza o cão assumirá o lugar.

O melhor jeito de saber quem é o líder da sua matilha é se perguntando: quem tem suas vontades impostas? Muitas vezes estamos simplesmente sendo manipulados por um animal dominante, mas não agressivo, e fazemos suas vontades. É comum vermos um cão latir até que o dono o pegue no colo, por exemplo. O proprietário, mesmo que gostando, o pegou porque o animal mandou, não porque quis. Os cães dominantes são possessivos com comida, brinquedos, camas e assentos, normalmente rosnando quando alguém chega perto. Alguns sinais são mais sutis, como passar por portas e escadas na nossa frente, muitas vezes até nos empurrando, relutar para obedecer certos comandos ou descumprir regras quando ninguém está olhando.

O problema já começa na escolha do amiguinho na ninhada. Sempre ouvimos aquela frase: “foi ele que me escolheu”. Infelizmente este é o cão mais dominante da ninhada. O ideal é escolhermos os filhotes do meio, nem o primeiro a chegar nem o último, que normalmente é medroso e submisso. Uma vez ambientado em casa, o cãozinho vai começar a testar os limites, assim como as crianças, e se não existirem ele é quem os definirá.

É muito importante estabelecer bem as regras da casa e todos colaborarem para que sejam cumpridas. Os líderes ficam nos melhores lugares, sendo assim o ideal é que o animal nunca durma no quarto do líder e só suba nos sofás se for chamado – se subiu sem ser convidado tem que descer. Os líderes comem primeiro, então nada de cão junto à mesa, de preferência até fora do cômodo. Outro ponto importante é acostumá-lo desde jovem a poder colocar a mão no seu comedouro – não precisa ser chato e ficar retirando toda hora, mas pode retirar o comedouro quando achar que ele já comeu o suficiente. Você controla o que e o quanto ele come. Assim como os brinquedos: todos os brinquedos são seus e você permite que ele brinque com eles.

Quando o cão dominante demonstrar agressividade deve ser corrigido imediatamente, com autoridade e nunca com violência. O melhor jeito é segurá-lo de barriga para cima, de preferência pelo pescoço, seus dedos simulando os dentes de outro cão, com muito cuidado para não o estrangular – as vias aéreas têm que ficar livres. Devemos segurá-lo até que ele se entregue totalmente e fique paradinho de lado, sem mãos o segurando. Nesse momento VOCÊ o levanta, assim ele ficará de pé porque você quis e não ele.

Se por acaso você chegar a ser mordido, faça a correção da mesma forma, fingindo que não doeu (até ajuda mostrar que a mordida não faz efeito). Depois cuide das feridas. Faça tudo com tom de voz firme, sem histeria e sempre até o fim. A sua vontade sempre tem que prevalecer, mesmo que demore horas até ele desistir. Seja mais teimoso que ele.

No fim, essas discussões valem a pena, um cão submisso é muito mais feliz e faz tudo para te agradar. Assim só nos resta curtir os deliciosos momentos juntos!

ENTRE NA REDE FATO!