Saiba tudo sobre o GLAUCOMA
O oftalmologista Dr. Marco Aurélio Barletta explica a doença que é a maior causa de cegueira irreversível no mundo

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Glaucoma é a maior causa de cegueira irreversível do mundo; são 60 milhões de casos, sendo 1 milhão no Brasil. Afinal, em que consiste o Glaucoma?

É uma neuropatia óptica (doença do nervo óptico) que provoca a perda parcial da visão ou total (cegueira). Pode estar associada ao aumento da pressão intraocular (pressão dentro do olho) ou não. Exemplo: o paciente pode estar com a pressão intraocular elevada e ainda não ter a doença, ou o contrário, mas naqueles em que o Glaucoma já foi diagnosticado, o aumento da pressão irá acelerar.

Quais são os tipos de Glaucoma?

Dr. Marco Aurélio Barletta
Membro: Conselho Brasileiro de Oftalmologia.
Sociedade Brasileira de Oftalmologia. Sociedade Brasileira de catarata e cirurgia refrativa. Sociedade Brasileira de Ecografia Ocular. Foto: Servando Lopes.

Os principais tipos de Glaucoma são: Ângulo Aberto: aproximadamente 90% dos casos são assintomáticos (crônico). Causado por uma obstrução dos canais de drenagem do humor aquoso e perturbações do fluxo sanguíneo. Ângulo Fechado: caracterizado pelo aumento súbito da pressão. Isso acontece em olhos susceptíveis (câmara rasa) quando a pupila dilata (bloqueia o fluxo através dela). Glaucoma Congênito: doença genética rara que atinge os bebês. Glaucoma Secundário: associado ao uso excessivo de medicamentos à base de corticóides, uveítes, diabetes, lesões oculares, tumores ou catarata avançada.

Quais são os sintomas da doença?

Os sintomas variam de acordo com o tipo de Glaucoma. Ângulo Aberto: na maioria dos casos é assintomático (inicia com perda periférica). Ângulo Fechado: dor ocular, vermelhidão, borramento da visão, náuseas e vômitos. Glaucoma congênito: recém-nascidos com olhos grandes, córneas embaçadas, fotofobia e/ou lacrimejamento.

 E os fatores de risco?

Pressão intraocular elevada; Idade: acima de 40 anos para agudo e 60 anos para crônico; Afrodescendentes; Histórico familiar; Diabetes, hipertensão ocular, cardíacos, hipertireoidismo; Doenças do olho como: tumores, deslocamento de retina, uveítes, uso por muito tempo de corticóides, miopia (principalmente altos míopes).

Como é feito o diagnóstico?

Se houver suspeita, não se recomenda esperar por sinais visíveis. O ideal é fazer exames regulares (oftalmológicos). O diagnóstico precoce pode evitar complicações mais graves. Devem ser realizados os seguintes exames: Anamnese. H.F; HPP; Acuidade visual; Avaliação do nervo óptico; Campo Visual; Exame com lâmpada de fenda; Gonioscopia; Imagem do nervo óptico (HRT, OCT); Resposta pupilar; Tonometria e Paquimetriaultrassonica.

Qual o Tratamento para o Glaucoma?

O tratamento consiste em diminuir a pressão intraocular, dependendo do tipo pode ser feito por meio de medicamentos (colírios ou via oral) ou até cirúrgico. No geral, as recomendações são: dieta saudável, exercícios regulares, limite de ingestão de cafeína e muita ingestão de água, além de consultas regulares ao oftalmologista.

ENTRE NA REDE FATO!