Revista Fato

menu Menu

Casamento e educação: o que têm em comum?

Publicado por: , em 20/03/2020 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Algumas pessoas se perguntam o que tem a ver educação e casamento, e a resposta é mais simples do que imaginamos. Quando duas pessoas resolvem se casar, estão formando uma nova família e, mais cedo ou mais tarde, virão os filhos. Educar uma criança para que se torne uma pessoa de bem, honesta, com valores morais e éticos, emocionalmente saudável para conviver em sociedade e caminhar com suas próprias pernas, é uma tarefa muito difícil e cansativa.

Por isso, quando o casal resolve viver junto, deve pensar no futuro, quando vierem os filhos. Considerar não somente o fator econômico, mas também os valores morais do companheiro que escolheu, se ambos comungam dos mesmos ideais e qual tipo de criação desejam para futuros descendentes.

 Frequentemente ouço mães e pais dizerem com todo orgulho, “trabalho muito para dar tudo do bom e do melhor para meu filho, tudo o que ele quer ele tem”. Içami Tiba, médico, psiquiatra e escritor de diversos livros na área de educação e psicologia, diz que na sociedade atual muitas crianças são “bem-criadas, mas mal-educadas”. Como se o ato de educar se resumisse somente ao “ter”, vestir, alimentar e ao abrigar.

Nosso país vive hoje uma ‘crise de valores’, o que era considerado desrespeito, falta de humanidade, falta de educação, hoje é tratado como natural e normal. Não é raro nos depararmos com situações de violência verbal ou física por parte de crianças e adolescentes.

Isso acontece porque, infelizmente, nossos pais atribuíram à escola o papel de educar. Aquele ditado, “educação vem de berço”, caiu por terra e foi substituído por a “sua professora não te ensinou?”. Sabemos que o professor tem um papel muito importante para o ensino de valores e educação informal, mas jamais deve ser o único responsável por isso.

É na convivência familiar que ensinamos nossos filhos o respeito ao próximo, as tão famosas “palavrinhas mágicas”, valores morais e éticos. São os pais que devem dizer aos seus filhos que não se fala palavrão, a pedir licença, dizer obrigado e, por favor, regras básicas de educação.

Atribuir à escola a função que cabe somente aos pais e responsáveis é, no mínimo, negligenciar a educação de um filho. É negar a esta criança o direito de aprender a conviver em sociedade, pois terá dificuldades para ouvir um não e em perceber o outro.  Fatores estes, que acabam levando esta criança ou adolescente à exclusão, afinal, uma pessoa que desrespeita regras, agridem verbalmente ou fisicamente outras pessoas quando contrariado não é aceito em grupos sociais.

Cabe a escola a transmissão de conhecimentos e reforço de valores morais vindos de casa. Por isso, antes de se unir a uma pessoa com a qual formará uma família, você deve conhecê-la em seu íntimo, observar suas atitudes e seu caráter. Caso seu namorado trate a própria mãe com grosseria e desrespeito, fará o mesmo com você após o casamento e seus futuros filhos aprenderão com o pai.

Como já dizia Albert Einsten, “Educação é tudo aquilo que fica depois que se esquece tudo que se aprendeu na escola”.

Camila Helena Sá de Oliveira

Pedagoga pela UFV; Pós-Graduada em Ciências Sociais pela UFJF; Trabalha como supervisora educacional no Estado; Diretora Pedagógica do Colégio Pilar.