Revista Fato

menu Menu

A importância do acompanhamento psicológico no tratamento do câncer de mama

Publicado por: , em 05/10/2021 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Neste mês de outubro aproveito para falar diretamente às mulheres, porém sem deixar de lado os homens. O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo e visa chamar atenção da população, principalmente a feminina, com relação ao câncer de mama e da importância deste ser diagnosticado precocemente, reduzindo assim os riscos e o avanço da doença.

O câncer de mama é, com certeza, uma das doenças mais temidas pelas mulheres devido à grande frequência com que ocorre, sobretudo pelos seus efeitos psicológicos, que afetam a sexualidade e a imagem pessoal da mulher que o vivencia, sendo devastadora tanto em termos físicos e psíquicos. O diagnóstico de câncer e todo o processo da doença são vividos pelo paciente e pela sua família como um momento de intensa angústia, sofrimento e ansiedade.

Para muitas mulheres, o diagnóstico de câncer de mama é muito impactante. Assim que a notícia é recebida, a mente já começa a criar múltiplos cenários possíveis. O diagnóstico de câncer de mama pode vir a provocar um desequilíbrio naquilo que as mamas sempre representaram para uma mulher. Se no homem é o pênis o principal símbolo de suas características e de sua sexualidade, é na mama que fica o maior símbolo de sua identidade feminina. A vida da paciente passa a correr riscos não só pela doença, mas pela intervenção que virá a ser adotada, que poderá ser mutiladora. Uma série de preocupações passa a tomar conta do pensamento dessa mulher: o medo de ser estigmatizada e rejeitada ao tomarem conhecimento de sua doença, a possibilidade de disseminação da doença pelo seu corpo, a queda do cabelo e o efeito disso sobre sua autoestima, a incerteza quanto ao futuro, sua sexualidade e o seu relacionamento com o parceiro e com os filhos, o medo da recidiva e, principalmente, da morte.

O impacto psicológico causado pelo câncer de mama traz uma significativa repercussão na vida da paciente. Este diagnóstico pode levar a perda da autoestima, angústia, crises de ansiedade e até causar depressão. Por isso a necessidade de que este momento seja vivido com conhecimento e compreensão, e um apoio psíquico, que torne possível o entendimento dos medos e angústias que podem interferir em uma resposta ao seu tratamento terapêutico. Dessa forma, é importante que o acompanhamento multidisciplinar e especializado seja promovido à paciente com dedicação e confiança, oferecendo assim, o reestabelecimento da saúde em seu sentido mais amplo.

O acompanhamento psicológico se faz, então, de extrema importância, desde o diagnóstico e durante todo o tratamento, como forma de possibilitar a essa mulher uma melhor reflexão, ressignificação e enfrentamento do câncer e de suas consequências. É preciso fortalecer a autoestima, identidade e autonomia da mulher, que se mostra abalada pela doença.

É muito importante também o apoio da família e amigos, além da inclusão de todos no processo de acompanhamento e intervenção psicológica. A aceitação da doença e a reabilitação serão enfrentados com menores dificuldades e possibilitará uma melhora significativa na qualidade de vida da mulher se todos a sua volta souberem lidar com a situação de forma saudável, consciente e acolhedora.

Educar e conscientizar a todos sobre os cuidados, prevenção, tratamento e recuperação das pessoas vitimadas, fará com que estejamos preparados para agir da maneira correta quando recebermos o diagnóstico da doença dentro do nosso círculo de convivência. É importante saber que:  O diagnóstico precoce está intimamente ligado ao aumento das chances de cura.

Caso esteja passando por este momento, ou conheça alguém, procure ajuda o quanto antes, pois intervenções psicológicas precoces são mais rápidas de serem resolvidas e consequentemente mais eficazes.

Juliana Lopes Ibrahim

Psicóloga – CRP 04/41186

Juliana Ibrahim

Juliana Ibrahim Psicóloga e Sócia Proprietária da Clínica LaVida. Especialista em Recursos Humanos, atendimento clínico presencial e online. Terapia Cognitivo Comportamental. CRP – 04/41186