Revista Fato

menu Menu

Ansioso: sempre fui e sempre serei ?

Publicado por: , em 28/07/2020 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Muitas pessoas experimentam desconforto muito frequente e duradouro devido à presença de preocupações permanentes e desproporcionais, pensamentos negativos sobre o futuro próximo ou distante e medo de possíveis resultados catastróficos nas diversas áreas da vida cotidiana. Por exemplo:

Eventos que comumente causam mais preocupação:

  • Saúde própria e de cônjuge, pais, filhos, irmãos, amigos
  • Situação financeira própria ou de pessoas próximas
  • Possibilidade de acidentes ou desgraças com os filhos ou entes queridos
  • Horário e atraso com seus deveres
  • Responsabilidades no trabalho
  • Atividades domésticas
  • Desempenho acadêmico
  • Desempenho esportivo
  • Relacionamentos afetivos

A apreensão causada é constante, e o autocontrole é penoso, podendo acarretar sintomas como:

Sintomas comuns:

  • Dores no corpo por contraturas musculares
  • Dor de cabeça
  • Cansaço
  • Falta de concentração
  • Irritabilidade
  • Inquietação
  • Alterações no sono
  • Enjoo
  • Diarreia

Vários indivíduos vivenciam esses sintomas por muito tempo e é possível que tenham iniciado na juventude ou infância. Daí a frase que eu mais escuto no consultório: “Eu sempre fui muito ansioso (a)”. Quando este tipo de ansiedade traz prejuízo para a vida do sujeito, é necessário atenção para a possibilidade de um Transtorno de Ansiedade Generalizada.

Ele acomete cerca de 9% da população e é mais comum em mulheres. Há fatores genéticos que aumentam o risco de se desenvolver este quadro. É comum que o cidadão acometido demore a procurar ajuda profissional, por considerar normal ter todos esses sentimentos, já que “sempre foi assim”. Porém, não há necessidade de que continue sendo sempre assim! É indicada a procura por tratamento especializado com psiquiatra e psicólogo (a), a fim de que o desempenho e a funcionalidade em sua rotina e em sua saúde mental resgatem os padrões naturais, eliminando ou minimizando os danos e o sofrimento.

 

 

Dr.ª Amanda Teixeira Tolomelli

Residência Médica em Psiquiatria pela UFJF; Pós graduação em Terapia Cognitivo-comportamental pela faculdade Redentor; Graduação em Medicina pela UFJF.