Revista Fato

menu Menu

Cães e gatos podem contrair o novo coronavírus?

Publicado por: , em 09/04/2020 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Muitas pessoas têm me perguntado se os pets se contaminam pelo novo coronavírus. De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), não há evidência significativa de que animais de estimação possam ficar doentes ou transmitir a Covid-19. Sendo assim, eles estão ilesos à doença. Existe sim um coronavírus que afeta os cães e gatos, mas ele é completamente diferente deste coronavírus que afeta as pessoas.

A recomendação da Organização Mundial da Classe Veterinária é que se evite o contato com os pets, pois eles podem servir como vetores biológicos da doença. Esse processo acontece quando o vírus se encontra com a superfície corporal do animal e ao manter contato físico, beijando ou abraçando este animal, o indivíduo pode levar as mãos à mucosa e se infectar. Mas claro que devemos ter muito bom senso, manter a higienização dos ambientes, a nossa higiene e dos nossos pets é extremamente importante para que a relação com eles não seja afetada.

Por exemplo, se uma pessoa infectada tem um animal que já tenha entrado em contato com o vírus, se esse animal não vai entrar em contato com outros indivíduos, não tem problema esta pessoa continuar mantendo contato físico com o pet. Agora se uma pessoa infectada mora com outras pessoas é melhor evitar contato físico com seu animal, pois ele pode levar o vírus para outros indivíduos.

O cachorro que testou positivo em Hong Kong pode ter sido um hospedeiro acidental. Ele tinha o vírus, mas não desenvolveu a doença. Segundo o Virologista da (USP) Paulo Eduardo Brandão, o fato de um animal ter testado positivo para o novo coronavírus não é motivo para alarmismo. Ele destaca que não há evidências da transmissão de cães para humanos e vice-versa. O exame deu positivo porque muito provavelmente o cão teve contato  com secreções ou superfícies contaminadas.

Durante este período de quarentena, o ideal é diminuir os passeios ao ar livre com os pets, porque durante o passeio eles podem entrar em contato com outros locais que estejam com o vírus e com isso se tornar um vetor biológico. Mantendo a higiene adequada dos animais e a nossa, nós conseguimos diminuir o risco de contaminação sem causar um estresse nos pets pela falta do passeio.

O animal estressado pode desenvolver alterações comportamentais irreversíveis, então o ideal é sempre incluir o pet na rotina da família, se exercitar junto, jogar uma bolinha para fazer o animal gastar energia, fornecer uma alimentação saudável e de qualidade.

Por não ser um serviço de primeira utilidade, os banhos nos pet shops estão suspensos para diminuir a chance de contaminação cruzada tanto dos profissionais quando dos proprietários. Somente serviços essenciais como atendimento veterinário, venda de rações e medicamentos estão sendo permitidos neste momento. A orientação é que os proprietários dêem os banhos nos animais em casa, usando produtos próprios. Sempre após um passeio nas ruas, a higienização também é necessária utilizando um shampoo de banho a seco para limpar as patinhas e a superfície corporal do animal.

É importante ter consciência, pois abandonar os animais e negligenciar a saúde deles não vai fazer acabar essa pandemia que estamos vivendo. Nós Veterinários somos agentes de saúde pública e por este motivo as clínicas continuam funcionando, tomando todos os cuidados necessários de higienização e com horários de atendimento reduzido. Nós estamos trabalhando para manter a saúde na família, este também é nosso papel.

Devemos ter empatia com os seres humanos e com os animais, devemos respeitar o distanciamento social, manter os cuidados de higiene, não negligenciar a saúde dos pets e agir com prudência e com responsabilidade.

Dr.ª Joyce Caldeira

Médica Veterinária em Clínica Veterinária em Pet Shop Amor Animal; Pós Graduada em Clínica e Cirurgia de pequenos animais pelo Instituto Qualittas de pós graduação. Graduada em Medicina Veterinária pela UNIPAC de Juiz de Fora.