Revista Fato

menu Menu

Por que avaliar seu sono com um médico?

Publicado por: , em 26/05/2020 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Foto: Reprodução de Internet

Provavelmente você já enfrentou pelo menos uma noite de sono ruim e talvez tenha observado as consequências já no dia seguinte: cansaço, sonolência, irritabilidade, mau humor, dor de cabeça, dificuldade para concentrar, indisposição, entre outras diversas que poderão aparecer. Agora imagine passar por noites seguidas sem um sono de qualidade e apresentar todas essas consequências diariamente de forma crônica?

O sono tem um papel importante na sua saúde e está relacionado à todo o funcionamento do seu corpo. Pacientes que dormem mal, independente da causa, sofrem a longo prazo um prejuízo em diferentes funções do organismo, como no sistema imunológico se tornando mais susceptível à desenvolver doenças, risco de doenças cardiovasculares como arritmias, infarto, AVC (acidente vascular cerebral), alteração hormonal, compulsão alimentar, agravamento de doenças psiquiátricas e doenças respiratórias.

Diferentes doenças podem comprometer o seu sono, mas o grande problema é que muitas vezes o paciente apresenta mais de um motivo ou doença capaz de alterar a qualidade do mesmo e, portanto, o tratamento pode ser complexo e envolver mais de uma especialidade médica para se obter o sucesso.

A Medicina do Sono é uma área de atuação da Medicina, em que médicos se especializam em tratar essa queixa a partir de uma avaliação completa do paciente, integrando informações de todo o funcionamento do corpo que possam estar alteradas, gerando como consequência um sono ruim.

Não existe uma receita de bolo para tratar um distúrbio do sono. Não é todo paciente que precisará tomar remédio e não é todo paciente que precisará de usar um CPAP (Aparelho de pressão aérea positiva) ou aparelho intra-oral. Às vezes não será preciso nenhum deles, apenas um ajuste de relógio biológico. Outras vezes, essas formas de tratamento ocorrerão em conjunto apenas por um prazo determinado. Ou seja, o tratamento pode sofrer alteração ao longo do seu curso de acordo com a evolução do paciente e o seu médico será capaz de conduzir de acordo com cada pessoa.

Marcela Machado Parma

Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Residência Médica em Otorrinolaringologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Título de especialista em Otorrinolaringologia pela AMB; Residência Médica em Medicina do Sono pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Mestrado Profissional em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.