Revista Fato

menu Menu

TERROR NOTURNO

Publicado por: , em 22/04/2021 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 1 minuto

Foto: quindim.com.br

O terror noturno é muito comum em crianças e, geralmente, acontece na idade pré-escolar e escolar, sendo superado na adolescência. Existem raros casos relatados na vida adulta.

Ocorre quase sempre dentro de 1 a 2 horas depois da criança adormecer e é diferente dos pesadelos, pois neste evento, a criança não está sonhando.

Durante o episódio, a criança fica muito agitada, confusa, com aparência de medo e em pânico. Podem também chorar, gritar, murmurar e dar respostas inapropriadas às perguntas. Após o episódio, a criança não tem nenhuma memória do acontecimento.

Não se sabe ao certo o que causa o terror noturno, mas alguns fatores podem favorecer o aparecimento, como: quantidade de horas dormidas insuficiente, horário de sono irregular, dormir com a bexiga cheia, dormir em um ambiente diferente do habitual, febre, estresse ou uso de algum medicamento.

Mas e o que fazer diante dessa situação? Mantenha sua criança segura, não a acorde e tente não interferir, pois ela pode ficar mais agitada. Se ela tiver saído da cama, guie-a de volta e se ela recusar, não insista. Evite os fatores desencadeadores acima citados.

Na maioria das vezes, o terror noturno não requer tratamento, mas em casos graves ou persistentes, procure fazer uma avaliação com um profissional especializado.

Dra. Marcela Machado Parma

Otorrinolaringologista e Médica do Sono

CRM-MG 78799

 

Marcela Machado Parma

Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Residência Médica em Otorrinolaringologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Título de especialista em Otorrinolaringologia pela AMB; Residência Médica em Medicina do Sono pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Mestrado Profissional em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.