Revista Fato

menu Menu

Você recorre ao álcool como uma “ajuda” para dormir?

Publicado por: , em 22/01/2021 - Categoria: COLUNAS

Tempo de leitura: 1 minuto

Imagem: internet

Com exceção dos comprimidos para dormir, o álcool é a ferramenta mais usada como “ajuda para dormir”. Apesar de muita gente acreditar que a bebida alcoólica faz você adormecer mais facilmente e propiciar um sono mais profundo e relaxante, esses dois pensamentos estão completamente equivocados.

O álcool é uma droga sedativa, mas o fato de seu consumo em doses moderadas deixar as pessoas mais desinibidas e sociáveis, é o motivo desta confusão. A desinibição é causada pela sedação de uma parte do cérebro chamada córtex pré-frontal, responsável por controlar nossos impulsos e restringir nosso comportamento quando o álcool é ingerido. Ele é capaz de imobilizar ou seja, sedar essa parte do cérebro primeiro, e por isso as pessoas ficam mais extrovertidas após o seu consumo. Com o aumento da sua quantidade no organismo, outras áreas cerebrais começam a ser sedadas também e o indivíduo começa a se sentir sem energia e ter menor desejo de se manter consciente. Entretanto apesar dessa sedação tirar a pessoa do estado acordado, ele não induz um sono natural.

Além da influência sedativa pelo álcool, o sono é prejudicado de duas outras maneiras. A primeira é a grande fragmentação que ele provoca, causando vários despertares breves. É o fato do sono não ser contínuo, que traz a sensação de sono não restaurador, referida muitas vezes como noite “mal dormida”. A segunda maneira é a diminuição importante que ele provoca na quantidade de sono REM, fase muito importante do sono para,dentre diversas funções, consolidação da memória e desenvolvimento cognitivo.

 

Marcela Machado Parma

Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Residência Médica em Otorrinolaringologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Título de especialista em Otorrinolaringologia pela AMB; Residência Médica em Medicina do Sono pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; Mestrado Profissional em Medicina pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.